Que tal um upgrade no conceito de Arquivo, à luz da Arquivística Social?

Gestão-documentalÉ um conjunto ou série de documentos, seja qual for seu formato e suporte – físico ou digital – gerado e publicados por um produtor, ou, um autor de conteúdos num período de tempo e que precisam ser acessados para atendimento de demandas informacionais, tanto do público interno como externo.  Tal documentação atrela-se ao atendimento de demandas administrativas e institucionais, e/o outras demandas sociais, públicas ou privadas e é, orgânica e relacionalmente reunida, no decurso do desempenho de uma atividade ou função.

Na ótica dos Arquivos, tal documentação, pode ser custodiada por uma pessoa, uma instituição – seja qual for a esfera. Se a documentação estiver sem custódia por inação, descuido, e, tendo ela vocação para servir de patrimônio documental, e sob o olhar atento do controle social e todos os atores que integram o fazer e o saber arquivístico, histórico, cultural e memorial, ela deverá ser encaminhada ao Arquivo mais próximo para receber tratamento arquivístico adequado.

DUA - Declaracao Universal sobre os Arquivos

Um Arquivo que se auto-valorize, tem em algum lugar de destaque, emoldurado e bem visível ao público, a DUA: DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE OS ARQUIVOS (ICA – VERSÃO OFICIAL BILÍNGUE BRASIL-PORTUGAL)

O profissional Arquivista, Arquivólogo, Arquivologista, como preferirem, é aquele que cataliza proativamente com a criação e implantação de uma política de arquivos, garante que um Arquivo tenha uma organização adequada e em linha tanto com a teoria, a técnica, como as melhores práticas de Gestão Documental, assim como a elaboração de diagnóstico, planos de classificação, tabela de temporalidade, quadro de arranjo e instrumentos de pesquisa.

Arquivo-público-SãoPaulo

Novo prédio do Arquivo Público de São Paulo, projetado dentro das normas e recomendações do Arquivo Nacional

Nos arquivos a informação orgânica, social e cidadã tem vocação para ser arquivística na proporção em que passa pelo processo de analise documental de um profissional Arquivista, obedecendo a critérios delineados por uma política de arquivos clara, e alguns critérios gerais, como: frequência de uso ou acesso, atender as necessidades da administração, atender as demandas cidadãs de acesso, servir ao processo de construção da memória, colaborar com a interpretação social, representar vetores de identidades históricas, culturais, justificando sua preservação como patrimônio documental.

Importa ainda respeitar a teoria das três idades, a legislação, a temporalidade e outros critérios, objetivos e claros, delineados por uma política pública de arquivos e sob o crivo da Comissão de Avaliação Documental. O resultado final do processo de avaliação é o descarte de tudo aquilo que não se enquadre nos requisitos elencados acima.

Os Arquivos Históricos, e/ou Arquivos Permanentes, exigem um quadro de Arquivistas bem dimensionado para produzirem instrumentos de pesquisas adequados, inseridos no processo de Descrição Arquivística que facilitem o acesso e difusão da informação do acervo ao público em geral, pesquisadores, jornalistas e historiadores.

O sentido de existir de um arquivo é preservar bem, ser um facilitador e assegurar o direito cidadão de acesso à informação, social ou orgânica, sem empecilhos, e no tempo em que ele precisar e em obediência aos prazos legais de preservação dos documentos. Ressalvados os casos de sigilo que a lei determina. Sendo louvável que operacionalize opções modernas de acesso, tais como a digitalização, atendimento via e-mail, e a criação e atualização de um site, blog, página no Facebook, twitter, etc., com o objetivo de diversificar as formas de acesso e ampliar a difusão do acervo.

OBS: Se você, profissional Arquivista, ou simpatizante da causa, também concorda que seja necessário fazer um upgrade conceitual no termo “Arquivo”, a proposta aqui é ser um processo de construção, coletiva e colaborativa de conhecimento à luz da Arquivística Social, portanto, se você tiver alguma sugestão, escreva nos comentários ou envie um e-mail para: jacksonguterres@gmail.com   |   {1ª Versão – 17/12/12 – 2ª versão 20/12 9:15}

Sobre Jackson Guterres

Sou um Cientista Cristão brasileiro atuando como Praticista da Ciência Cristã na cidade de Salvador, capital da Bahia, no Brasil.
Esse post foi publicado em ARQUIVO SOCIAL, ARQUIVOLOGIA, CONCEITO DE ARQUIVO, DUA, UPGRADE CONCEITUAL e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Que tal um upgrade no conceito de Arquivo, à luz da Arquivística Social?

  1. Marlison Leite disse:

    Caro Jackson Guterres, sem dúvida uma proposta de upgrade conceitual para “Arquivo” moderno e atualizado, na medida das palavras que expressam a contextualização para o conjunto de massas documentais acumuladas em variados suportes. Parabéns ao “Arquivista Social” pela iniciativa e pelo contexto desenvolvido, tomarei como referência nos meus estudos e disseminarei o upgrade conceitual.

  2. analuiza562 disse:

    Prezado Jackson, está na veia dos arquivos a questão social. Remonta à Antiguidade, às urbes, tudo que ocorre na sociedade, seja em que época for, é registrado, e isso, de forma cumulativa, gera os arquivos, organizados ou não, eles existem. Cabe ao profissional lutar arduamente para que esse legado esteja o mais preservado possível e organizado, para atender às demandas sociais que são muitas. Os arquivos não são lugares só de memória, são, sobretudo, de informação. O país, as organizações, os historiadores, os cidadãos precisam de informação. Estamos com você nessa jornada. A bandeira da Arquivística Social é muito válida, oportuna e, eu diria mais, é premente. Parabéns pela iniciativa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s