Comunidades indígenas recebem documentos em Manaus

Índios de mais de 20 diferentes etnias que residem próximo a Manaus, na Amazônia, tiveram acesso à documentação básica na manhã desta sexta-feira (4/5), durante mais uma ação do projeto Cidadania, Direito de Todos – desenvolvido pela Comissão de Acesso à Justiça e à Cidadania do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em parcerias com diversos outros órgãos públicos. Durante a abertura do mutirão, na capital amazonense, o conselheiro Ney Freitas, presidente da Comissão, destacou a importância da iniciativa que visa à erradicação do sub-registro e a concessão de documentos para a população indígena. “O indígena foi o primeiro cidadão deste país. O que se está a fazer é dar o selo desta cidadania para que ele tenha acesso às diversas possibilidades”, declarou.

O mutirão aconteceu no Centro de Convivência do Idoso, no bairro de Aparecida. A expectativa é de que até dois mil índios tenham sido atendidos. A iniciativa foi organizada pelo CNJ em parceria com o Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM), a Secretaria de Direitos Humanos da República (SDH), a Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (SEAS) e a Fundação Nacional do Índio (Funai).

Na ação, os indígenas puderam retirar o Registro Administrativo de Nascimento do Índio (Rani), emitido pela Funai, e documentos civis – como CPF, carteira de trabalho, identidade e certidão de nascimento. Ney Freitas explicou que essa documentação foi alterada para informar também a etnia e aldeia de origem dos índios. “Esta é uma forma de dizer que eles fazem parte da comunidade”, explicou o conselheiro. 

No mutirão, foram oferecidos também orientações sobre a obtenção de benefícios junto à Previdência Social ou programas sociais do Governo, assim como de serviços médicos – clínica geral e testes gratuitos de doenças como HIV. Também houve exposição de artesanato, grafismo e fotografia. 

A secretária-adjunta da SEAS, Nádia Lúcia da Costa Soares, afirmou que a ação foi programada após uma pesquisa realizada em 18 comunidades indígenas do entorno de Manaus. O objetivo do levantamento foi identificar quantos e quais índios precisavam de documentos. “Resolvemos, então, transformar a entrega desses documentos em um momento de cidadania”, explicou. 

A presidente da Comissão de Erradicação do Sub-Registro Civil do TJAM, desembargadora Maria das Graças Figueiredo, destacou a importância do mutirão. “Não é possível que no segundo milênio tenhamos pessoas ainda sem o registro de nascimento, principal marco da cidadania. O Tribunal de Justiça da Amazônia está engajado nesse movimento liderado pelo CNJ para que a Justiça brasileira possa trabalhar por quem não tem o registro. Estamos empenhados em superar esse problema”, afirmou. 

O secretário de estado para povos indígenas, Bonifácio José Vanilla, também elogiou a iniciativa. Ele destacou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que apontam a existência de 168 mil índios na Amazônia, em pelo menos 178 terras, cuja extensão corresponderia a 30% do estado. “Esses dados nos mostram a quantidade de indígenas e ribeirinhos no interior que provavelmente não têm esses documentos. Que esse esforço tenha continuidade e seja levado também ao interior”, disse. 

Neste sábado (5/5), o conselheiro Ney Freitas segue para São Gabriel da Cachoeira – cidade com maior concentração de indígenas, a 852 quilômetros de distância da capital Manaus e na fronteira com a Colômbia e Venezuela. O objetivo é estudar a realização de um mutirão do projeto Cidadania, Direito de Todos nesta região. Também participará da expedição o juiz auxiliar da Presidência do CNJ Sidmar Dias Martins. 

Projeto – O projeto Cidadania, Direitos de Todos foi criado pelo CNJ em 2010 para promover a expedição de documentos aos índios que vivem próximos a centros urbanos. Em março último, o CNJ firmou um termo de cooperação com diversas entidades para facilitar o acesso desta população aos documentos. Assinaram o acordo o Conselho Nacional do Ministério Público, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, a Fundação Nacional do Índio (Funai), a Defensoria Pública da União, a Associação de Notários e Registradores do Brasil e a Associação Nacional de Registradores das Pessoas Naturais.

Giselle Souza | Agência CNJ de Notícias 

Sobre Jackson Guterres

Sou um Cientista Cristão brasileiro atuando como Praticista da Ciência Cristã na cidade de Salvador, capital da Bahia, no Brasil.
Esse post foi publicado em CNJ, Projeto Cidadania Direito de todos e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s