Senso de Justiça – regra áurea, cultura, consciência social e política!

Como servidor do judiciário federal e um Cientista Cristão, nutro a consciência social de que a justiça é uma componente natural da dinâmica da existência humana, antes de ser uma consagrada instituição nacional. No livro Ciência e Saúde, de autoria de Mary Baker Eddy, notável pensadora religiosa norte-americana, que é inspiradora: “… que a justiça humana imite a divina.”!

Intelectuais notáveis no campo da operação do direito nacional, têm afirmado que o povo brasileiro tem uma cultura judicialista – prefere resolver os conflitos via tribunais do que via negociação arbitral e conciliação entre as partes. Mas, graças ao avanço social e os desdobramentos dessa evolução democrática, persistente, porém lenta; a cultura judicialista, está aos poucos dando lugar à mediação. Uma prova disto são os esforços do CNJ por aprimorar o modus operandi da mediação de conflitos, bem como o engajamento dos Tribunais no esforço coletivo nacional pelo instituto da Conciliação – onde, em geral, todos ganham!

Para mim o senso de justiça comporta 3 dimensões: metafísica, política, humana que estão entrelaçadas entre si. Permita-me apresentar esse senso tridimensional de justiça nesse dia especial onde celebramos o Dia da Justiça.

A dimensão da metafísica divina: é holística e passa pela diversidade religiosa brasileira. No meu olhar cristão é o senso primordial de justiça, o qual é imanente a todo o ser. Ela esta estabelecida na regra de ouro dada pelo Mestre cristão: fazer aos outros o que queremos que nos façam. Extrapolando a noção de alteridade e amor, esta regra simples de convivência, paz e harmonia no relacionar-se com outros, ao ser observada, diminuiria abruptamente a quantidade de processos em todas as instâncias do judiciário.

Seria uma utopia moderna? No domínio do conhecimento religioso não, pois é uma realidade divina possível de ser contemplada no coração e mente de todos os cidadãos. Não precisa ser profeta para predizer que uma nova consciência social progressiva, com base na regra de ouro, abrandaria o ímpeto judicialista pela arte de saber conviver bem com o outros: todos diferentes e todos iguais! Um novo senso de humanidade e alteridade é possível!

A dimensão política inclui muito mais do que vemos na superfície – interesses, conflitos, tendências, convencionalismo e ideologias –  pois, a manutenção do status quo depende da presença da representação política que esteja alinhada com a governabilidade, em que pese a máxima da independência do Judiciário.

Como os recursos humanos que fazem, do Poder Judiciário, uma instituição de notável credibilidade, são integrados por brasileiros, há uma representatividade social e política no seio da Justiça, em todas as esferas públicas. O ser humano é um ente político – independente de partido – penso que temos de considerar o peso das influências políticas que permeiam a alta cúpula de nosso judiciário, bem como compõem o tecido do mosaico social dos seus recursos humanos.

É da esfera dos Conselhos Superiores que as políticas de gestão têm de emanar. Quando a velocidade com que tais políticas são implantadas, bem aí é uma questão sensível, pois esbarra no imperativo do princípio da autonomia. Neste sentido são louváveis os esforços de melhoria que tem sido consolidado pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ.

A dimensão humana inclui: juízes, servidores, demais operadores do direito, terceirizados e demais cidadãos.  Todos desejamos uma justiça melhor e mais célere.  Mais presente  na esfera pública do ciberespaço, pois estamos evoluindo na cibercultura  na direção de uma ciberdemocracia, tese defendida por Lèvy e Lemos no livro: “A Internet do Futuro: em direção a uma ciberdemocracia interplanetária”. O próprio novo paradigma do processo eletrônico é um sinal dos tempos neste sentido de acompanhar evolução social e tecnológica.

Existe uma aspiração e expectativa de melhoria geral em relação à prestação jurisdicional, logo, vem uma dedução: a melhoria geral é uma responsabilidade de todos nós. Há ainda muito que fazer neste rumo, e tenho gratidão por estar no caminho sendo testemunha e ator social, junto com meus pares, na construção coletiva de um judiciário melhor, mais focado e mais próximo do cidadão.

Ainda dentro da dimensão humana, são louváveis as iniciativas pioneiras de alguns tribunais de usar a mão de obra terceirizada dos deficientes auditivos para os serviços de digitalização. Sinto-me feliz e grato por ver iniciativas de inclusão social como essas que merecem entrar no rol das melhores práticas do judiciário na área-meio e merecem o aplauso e incentivo da opinião pública!

Para concluir: a Justiça e os Direitos Humanos andam sempre de mãos dadas. Interessante lembrar que no calendário de datas comemorativas, logo em seguida ao Dia da Justiça, vem a celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos – 10 de dezembro. Neste contexto, vale mencionar nossa maior vitória este ano: a aprovação da lei que regula o acesso à informação pública – LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011.  Compartilho um resumo bem acessível sobre as mudanças culturais que esta nova lei e a responsabilização que ela implica, veja no link a seguir: http://www.cgu.gov.br/acessoainformacoes   Curta e socialize!

Feliz Dia da Justiça para todos e vamos continuar construindo, colaborativa e coletivamente, um senso de justiça evoluído que começa em nosso próprio modo individual de concebê-la! Aos colegas um abraço e a luta continua…

Sobre Jackson Guterres

Sou um Cientista Cristão brasileiro atuando como Praticista da Ciência Cristã na cidade de Salvador, capital da Bahia, no Brasil.
Esse post foi publicado em DIA DA JUSTIÇA, REGRA DE OURO e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s