Mudar o paradigma de arquivo para, memória e identidade da comunidade

Acho que tod@s tem uma noção de que fazer um TCC é uma tarefa intelectual indescritível, ainda mais quando optamos por uma trajetória solo por caminhos ainda não percorridos. Um destes caminhos foi pesquisar o processo de construção da arquivística social globalmente. Literatura nesta área, para variar é zero. Então o que me restou? O conhecimento que está no ar – online – no ciberespaço, recorri a cibercultura planetária, buscando conteúdo em palestras em seminários relevantes de Arquivologia em escala mundial. Dois deles foram decisivo para o TCC, o Archives Without Borders – AWB, edição centenária realizada no Palácio de Haia, em Agosto 2010, que reuniu as feras da Arquivologia mundial – comentarei melhor noutro post sobre este glorioso evento. E o evento abaixo, patrocinado pela Universidade de Dundee, em convênio com a Royal Sociedade de Edimburgo, na Escócia ajudou a lapidar a temática da Arquivística Social e o papel do ator social Arquivista! Que tal embarcarmos juntos numa viagem panorâmica, enquanto o TCC não é publicado no Portal LUME da UFRGS para ser compartilhado com todos..

Sociedade Real de EdimburgoRoyal Society of Edinburgh  RSE financia uma rede de pesquisa interdisciplinar na área de Memória e Identidade: uma Rede de Investigação Interdisciplinar, na Escócia, facilita a discussão e debate sobre duas questões cruciais para todas as sociedades, identidade e memória. A rede envolve acadêmicos e membros da comunidade em linha e frente a frente a discussão sobre a criação e preservação da memória, com vista a incentivar o intercâmbio de pontos de vista e do crescimento de pesquisas nessa área importante. A Memória e Identidade Projeto Rede baseia-se no sucesso do projeto de pesquisa RSE antecessor, Investigando o Arquivo, também liderado pela Universidade de Dundee 2007-2009.www.investigatingthearchive.org/

Memória, Identidade e paradigma arquivística: uma abordagem interdisciplinar

Mudar o paradigma de arquivo para memória e identidade da comunidade

Terry Cook

Palestra de Terry Cook, Professor Visitante da Universidade de Manitoba, no Canadá – LOCAL: Quarta-feira 8 – Sexta-feira 10 dezembro 2010, o Hotel Apex, Dundee, Escócia

Resumo de sua palestra paradigmática:

Cook propôs neste evento bombástico, de repercussão global, um novo paradigma para a Arquivologia: identidade, memória e comunidade. Esse paradigma está sendo fundamentalmente construído por novas pressões sociais e novas tecnologias da informação, bem como pela crítica teórica. Para muitos a memória e a identidade não são conceitos aparentemente relevantes para os arquivos ou para a teoria e a prática arquivística. O conceito convencional de Arquivologia tem a ver com a aquisição e proteção de provas documentais, o mantra profissional tradicional é o de uma curadoria (custódia) objetiva ou neutra de documentos. Já os conceitos emergentes de arquivos como memória, identidade e comunidade têm sido contemplados como resultados do uso de arquivos por uma crescente gama de pesquisadores. Esta dicotomia entre os arquivos imparcial e interpretação da sociedade é, no entanto, bem mais denso e interativo do que supunha. Esta ambiguidade deve ser reconhecida e abraçada como o caminho desejável para arquivos no século XXI, e os arquivos reconfigurados neste novo rumo, se quiserem prosperar na era digital.

Biografia

Terry Cook lecionou na pós-graduação Arquivística Studies Program da Universidade de Manitoba, em Winnipeg, Canadá, desde 1998. De 1975 a 1998, trabalhou no Arquivo Nacional do Canadá, como gerente sênior responsável por dirigir a avaliação e registros do programa de disposição para todas as mídias. Lá, ele concebeu e implementou ‘macroappraisal “como uma atividade nuclear. Ele é um ex-editor geral do Archivaria, bem como Editor da Associação Histórica da revista canadense acadêmica, histórico Papers, e sua série Cadernos Históricos. Ele ofereceu palestras, institutos e seminários em diversos países na avaliação, registros eletrônicos, a ética de arquivo, e na teoria arquivística em geral, e é autor de algumas publicações oitenta sobre uma vasta gama de assuntos de arquivo que já apareceu em todos os continentes e vários em múltiplas traduções, incluindo escrever ou editar cinco livros. Ele foi homenageado pela eleição como membro da Sociedade Americana de Arquivistas, membro da Sociedade Canadense de Automação de Escritório Profissionais, e membro da Associação dos Arquivistas do Canadá, e vencedor do Prêmio Ernst Posner, o prêmio Kaye Cordeiro (duas vezes) e, o Sul Africano Arquivistas Prêmio de publicações arquivamento pendentes. Este ano, ele foi condecorado como membro da Sociedade Real do Canadá, a academia nacional de maior reconhecimento para os estudiosos e cientistas em todas as áreas acadêmicas, no Canadá. Ele é o primeiro a ser reconhecido como tal para uma bolsa de arquivo, como uma disciplina acadêmica.
 
 
 Referências
Royal Society of Edinburgh – Projeto Investigando o Arquivo
Portal da Universidade de Dundee
Blog da Universidade de DundeeTradução automática Google
Evento Memória, Identidade e Paradigma arquivística: uma abordagem interdisciplinar – Tradução automática Google
 

Sobre Jackson Guterres

Sou um Cientista Cristão brasileiro atuando como Praticista da Ciência Cristã na cidade de Salvador, capital da Bahia, no Brasil.
Esse post foi publicado em Mudança de Paradigma na Arquivologia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Mudar o paradigma de arquivo para, memória e identidade da comunidade

  1. Pingback: TCC 2011: A arquivística social expressa na DUA: o caso da ASF | Arquivística Social – o futuro começa agora!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s